O que é preciso para ser um bom professor de literatura?

Postado em 14 de abr de 2022
Loading...

Dentre as funções de um professor de literatura está incentivar o hábito da leitura, deixar a literatura mais acessível e tornar o conteúdo interessante.

No Brasil, a literatura ainda não é um interesse de massa.

De acordo com uma pesquisa do Instituto Pró-Livro, apenas 66% da população brasileira disse ser um leitor, e a média de livros concluídos por essas pessoas anualmente é de 2.43.

Além disso, um estudo do NOP World descobriu que os brasileiros investem apenas 5,2 horas semanais no ato de ler.

O que, em comparação, vemos ser pouco. Na Índia, os leitores investem 10 horas por semana nos livros, enquanto na França, a média de livros concluídos anualmente é de 7.

Diante desse cenário, como fazer com que os alunos percebam valor nas suas aulas e como ter papel no incentivo à leitura?

Neste artigo, tentaremos responder a essas perguntas. Confira:

 

 

Como se tornar um professor de literatura?

Para se tornar um professor de literatura, existem alguns passos que você precisa seguir.

O primeiro deles é ter muito interesse pelo tema. Porém, não apenas interesse em literatura, é preciso também ter interesse na língua portuguesa como um todo.

Isso porque a formação do professor de literatura na graduação é a mesma formação recebida pelo professor de língua portuguesa.

Ou seja, ambos fazem a mesma faculdade: a licenciatura em letras. Depois de formado em letras, é preciso buscar um emprego na área.

E uma pessoa formada em letras pode dar aulas para a educação infantil, ensino fundamental e médio e em cursinhos pré-vestibular.

O professor de literatura também pode atuar na educação superior, ou seja, na graduação e pós-graduação. Mas para isso é necessário ter especialização em literatura, mestrado ou doutorado.

É interessante dizer que a especialização em literatura também é uma opção para o professor da educação básica que quer aprimorar seus conhecimentos e melhorar o plano de carreira.

🔵 Leia mais: Licenciatura e bacharelado em Letras: diferenças e mercado de trabalho

O que a BNCC diz sobre a literatura

A BNCC é a sigla usada para se referir à Base Nacional Comum Curricular.

Este é um documento que define quais são os aprendizados fundamentais para a trajetória de um aluno e que devem ser comuns em escolas nacionais.

A BNCC abrange desde a educação infantil até o ensino médio e é utilizada como a ferramenta que orienta e guia a elaboração de currículos escolares.

E como estamos falando de literatura, onde ela entra na BNCC?

Na verdade, a literatura não entra explicitamente na BNCC. Nós podemos encontrar menções à ela dentro de outros aspectos.

A literatura é contemplada na BNCC especialmente na terceira das dez Competências Gerais da Educação Básica. O texto diz:

  • Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural.

Dentre as competências, esta fala sobre como é papel da escola se tornar um local propício para manifestações artísticas.

E como a literatura é considerada uma arte, podemos encontrá-la nesta competência.

Mas, como dissemos acima, a literatura permeia diversos outros aspectos da BNCC e pode ser encontrada quando o documento fala sobre:

  • A diversificação de formatos para consumo de histórias, colocando os livros digitais, filmes, paródias, HQs e animações junto aos livros na categoria.
  • A necessidade de as práticas literárias estarem presentes no contexto escolar.
  • A formação do leitor-fruidor, um aluno com a capacidade de dialogar com uma obra e entender sua multiplicidade de sentidos.

🔵 Leia também: Trabalha com educação? Aposte na produção de material didático

Como trabalhar a literatura em sala de aula

De acordo com especialistas, independentemente da faixa etária do aluno, o livro sempre funciona como uma ferramenta “disparadora” de discussões em sala de aula.

A partir da história contada nele é possível promover discussões sobre os mais diversos temas.

Por isso, uma das melhores formas de trabalhar a literatura em sala de aula é utilizar essa faceta do livro, como algo que começa discussões.

O ideal é não pré-julgar quais serão as mensagens entendidas pelos alunos e nem tentar limitar a discussão, mas ser um mediador, sabendo para onde levar a discussão, mas deixando que os alunos digam seus entendimentos e como eles chegaram nessa conclusão.

Isso significa estimular a troca de impressões entre dois ou mais alunos, como cada um interpretou um acontecimento, qual personagem é o favorito deles e por quê, e qual é a relação entre expectativa e realidade da leitura para eles.

Também é importante trazer a discussão para o mundo real. Como a trama e os personagens se traduzem para a realidade dos alunos? Como se relacionam com quem, e o que, eles conhecem?

Isso ajuda a deixar a literatura mais próxima da realidade, o que estimula o hábito da leitura e o pensamento crítico dos alunos.

🔵 Leia também: Veja como se tornar um profissional de revisão de textos

Descubra quantos cursos de graduação existem no Brasil!

Como incentivar a leitura sendo professor de literatura

Além de como trabalhar a literatura em sala de aula, existem algumas práticas que o professor pode ter para promover o hábito da leitura. Confira abaixo:

1. Descubra o que os alunos gostam de ler

Sabemos que o currículo escolar pede que as aulas de literatura passem pelo estudo dos clássicos nacionais e mundiais.

Porém, quantas vezes já ouvimos dos próprios alunos reclamações sobre a obrigatoriedade de livros que não interessam a eles? Aliás, como tornar esses livros interessantes para eles?

Uma maneira pode ser trabalhar obras mais atuais e do gosto dos alunos junto aos clássicos. A ideia seria agregar, e não substituir.

2. Deixe os livros acessíveis

Outro aspecto que acaba afastando os alunos da literatura é a impressão de que livros não são para todos. Então, uma forma de estimular a leitura é mostrar como livros são acessíveis.

E como fazer isso? Levando a turma até a biblioteca, deixando que eles escolham a próxima leitura, mostrando como funciona o processo de aluguel de livros, etc.

3. Converse sobre leituras

Conversar sobre leituras é diferente de discutir o livro escolhido para ser trabalhado em sala de aula. Aqui, a ideia seria tirar o estigma de obrigatoriedade de um livro.

Que tal conversar com os alunos sobre sua leitura mais recente ou perguntar o que eles querem muito ler? Que tal trazer curiosidades e informações de cultura pop sobre livros?

Conversar sobre leituras é uma maneira de deixar os alunos curiosos para conferir por eles mesmos, o que pode ajudar a construir o hábito da leitura.

4. Use a tecnologia como aliada

Por fim, para estimular a leitura entre os alunos é essencial ver a tecnologia como aliada.

Hoje, os livros estão em todos os lugares e dispositivos porque existem lojas de ebooks na internet e aplicativos de assinatura de audiobooks.

Não é mais necessário que os alunos apenas leiam livros físicos, eles podem escutar histórias ou acompanhar o texto no próprio celular. E entender essas possibilidades faz as suas aulas serem mais interessantes para os alunos também.

🔵 Leia também: O que é uma metodologia ativa e como ela melhora o ensino-aprendizagem

Desenvolva suas habilidades de professor de literatura

E agora que você chegou a esta altura do conteúdo, deve estar se perguntando como fazer tudo isso. Bem, uma maneira é aprimorando seus conhecimentos com um curso de Pós-graduação em Literatura.

Nesta especialização, você aprenderá tudo sobre a literatura, as escolas, principais autores, contextos históricos e muito mais.

O objetivo é capacitar o professor para atuar nessa área ou apenas aprofundar seus conhecimentos acerca do assunto, servindo de bagagem para suas produções.

Esta é uma ótima opção para pedagogos e professores de literatura e língua portuguesa que buscam aperfeiçoamento e atualização profissional.

Conheça o curso na instituição abaixo:

Ela é reconhecida pelo MEC, recebeu nota alta na avaliação da pasta e oferece benefícios e descontos para os ingressantes.

Como escolher uma faculdade EAD

Leia também:

Mariana Bortoletti

Por Mariana Bortoletti

Gostou deste conteúdo? Compartilhe com seus amigos!

                 
Mercadóloga, jornalista e especialista em escrita criativa.